Como o UX pode impulsionar o SEO?

Como o Google mudou ao longo dos anos, o conjunto de habilidades necessárias para estar no topo da otimização do mecanismo de busca (SEO) e a classificação na primeira posição também muda.

O que era um local onde apenas desenvolvedores com pouco aprendizado sobre SEO comandavam, eventualmente se ramificou em copywriting e marketing de conteúdo. Embora o SEO técnico e a otimização on-page ainda sejam extremamente importantes para o sucesso do SEO hoje em dia, a experiência do usuário (UX) é quem soma ainda mais para o completo sucesso.

É parte do meu trabalho seguir as tendências de design de experiência do usuário e como elas afetam o SEO, e é claramente um dos fatores mais importantes a serem considerados ao otimizar um site. Apesar de não ser experiente na área de usabilidade, reconheço muitos dos pontos onde o UX pode ajudar no meu trabalho, de mãos dadas SEO e UX agradam a todos:

  • Meus clientes: Que possuem um site totalmente otimizado e responsivo;
  • Os usuários: Que adquirem maior facilidade no uso do site, tanto visual quanto operacional;
  • Google: que com a novavelha atualização de seu algoritmo, trouxe o Rank Brain (já falo sobre isso).

Por que é importante prestar atenção ao UX para o sucesso de SEO?

UX e SEO andam de mãos dadas, como eu já havia dito antes. Toda e qualquer atualização do Google tornou o mecanismo de busca mais amigável e focado no usuário.

Vimos alterações nos SERPs, que são os resultados das pequisas do Google, nos rich snippets e painel de conhecimento (caso não conheça nenhum desses termos confira o dicionário do Marketing Digital), e atualizações de algoritmos que mostram como a UX se tornou importante para o Google.

Basta olhar para RankBrain.

Fatores de classificação foram alterados para incluir métricas de comportamento

Apresentado ao mundo em outubro de 2015, o RankBrain colocou a UX no topo de importância da pesquisa. Posicionado como o terceiro fator de classificação mais importante para o Google, o RankBrain (e subsequentemente o UX) só fica abaixo do conteúdo e dos links quando se trata de influenciar o valor de SEO do seu site.

O RankBrain é orientado por métricas de comportamento, como:

  • CTR Orgânica;
  • Tempo de espera (duração média da sessão para os profissionais do Google Analytics);
  • Taxa de rejeição;
  • Páginas por sessão.

Essas métricas informam ao Google se um usuário aproveita sua experiência na página da web. Se um usuário passa mais tempo na página, move-se pelo site e frequenta a página novamente, o Google reconhece que eles ofereceram ao usuário um ótimo resultado para a consulta. Se o Google perceber que os usuários gostaram de uma página, eles poderão classificar essa página em uma posição mais alta nos resultados da pesquisa na próxima vez.

Se o Google perceber que um usuário está clicando em um resultado da pesquisa, gastando pouco tempo no site e retornando imediatamente aos resultados da pesquisa, isso indicará que o usuário não encontrou conteúdo relevante.

Se o Google perceber que um resultado de pesquisa não está levando o usuário a um conteúdo de qualidade, essa página poderá cair no ranking.

É aqui que entra o UX. Como profissional de marketing digital, não posso mais pensar somente no conteúdo e nas palavras-chave na página quando se trata de SEO, tenho que pensar em como os usuários interagem com o conteúdo dessa página e o conteúdo na próxima página que eles visualizam no site. Preciso fornecer aos usuários uma ótima experiência.

UX e SEO têm objetivos comuns

Nos últimos dois anos, o SEO mudou de classificação apenas para termos de pesquisa e para fornecer aos usuários informações que respondam às perguntas deles.

Sempre de mãos dadas.

É aqui que o SEO e o UX começam a interagir. Ambos tratam de fornecer aos usuários conteúdo relevante e ajudar os usuários a concluir suas tarefas. O SEO leva os usuários ao conteúdo que estão procurando, e a experiência do usuário faz com que, assim que o usuário acaba na página, a informação seja intuitiva e fácil de navegar.

Em 2018, um site para estar realmente otimizado para pesquisa seguiu naturalmente as práticas recomendadas da experiência do usuário.

Práticas recomendadas de SEO que são práticas recomendadas de UX

Se você está liderando a estratégia de SEO de sua empresa ou cliente, ou se está em parceria com uma agência digital ou de UX, provavelmente há práticas recomendadas de SEO que você já segue que também melhoram a experiência do usuário no site.

Se você estiver escrevendo conteúdo em um tom de conversa (com quem lê) e definir as tags de título e de imagem adequadas, já estará trabalhando com a experiência do usuário. Embora você talvez não perceber, são pequenas ações como essas que influenciam o comportamento do usuário.

Basta dar uma olhada nessas práticas comuns de conteúdo e SEO que influenciam o UX.

  • Cabeçalhos:

Qualquer pessoa em SEO conhece as tags dos títulos, mas como eles influenciam o UX? Simples. Eles melhoram a leitura da página e ajudam a estruturar o conteúdo da página, facilitando para os usuários resumir a página e entender o conteúdo.

  • Tags de imagem:

Esse é um problema de usabilidade frequentemente ignorado nos sites (vejo isso 70% da vezes). As tags de imagem melhoram a usabilidade, fornecendo informações quando as imagens não são carregadas, garantindo que o usuário receba uma experiência semelhante, com ou sem imagem. Além disso, a partir de uma perspectiva de SEO, eles são outra oportunidade para utilizar suas palavras-chave alvo e ranquear na categoria “Imagens” do Google.

  • Conteúdo de pelo menos 600 palavras:

Ao criar conteúdo, usamos no mínimo 600 palavras. Por quê? Ele garante que todas as páginas tenham conteúdo detalhado que possa responder às perguntas dos usuários.

E como isso é relevante para o UX?

Vamos dizer que você esteja tentando responder a perguntas de alguém sobre UX e SEO. Você provavelmente quer um guia bastante aprofundado, certo? Não há nada pior do que tentar encontrar uma resposta para algo facilmente, e apenas para receber um conteúdo rápido e de baixa qualidade que deixa você com mais perguntas ainda.

Conteúdo de formato longo, desde que seja relevante, melhorará a experiência do usuário. Também de nada adianta encher o conteúdo de palavras onde o usuário vai se cansar de ler e não encontrar o que procura.

  • Velocidade da Página:

Ninguém quer esperar mais de 2 segundos para que uma página seja carregada. E é claro, isso também significa que o Google também não deseja esperar mais de 2 segundos.

Com isso em mente, a velocidade da página se tornou uma métrica de SEO amplamente baseada em UX. Quanto mais rápido a página for carregada, melhor será a experiência no site. Quantas vezes você esperou por uma página para carregar, atualizando toda hora até sair em frustração?

Um site rápido também significa que provavelmente está bem desenvolvido e não é muito volumoso. Ao criar um site com essa prática de SEO em mente, seu site será mais fácil de usar.

  • Mobile Friendly:

Em 2016, os celulares ultrapassaram os computadores no uso total da Internet em todo o mundo, e todo profissional de marketing digital, estrategista de SEO e consultor de UX sabe que a mobilidade será o foco no avanço. Hoje, o celular representa 52% da participação de mercado. O modo como um site funciona em dispositivos móveis é mais importante do que o computador.

Embora isso faça sentido para o SEO, também é fácil ver que um site não otimizado para dispositivos móveis proporcionaria uma experiência insatisfatória ao usuário. Sites com uma janela de visualização muito ampla, conteúdo pequeno demais para ler ou conteúdo que seja perdido quando visualizado em um dispositivo móvel pode prejudicar a experiência de todo o usuário, e consequentemente, seu ranqueamento.

SEO ruim pode fazer com que o UX também fique ruim

Assim como o SEO influencia muitas das melhores práticas de UX, um SEO mal feito leva a uma má experiência do usuário (UX). Isso mostra o quanto o Google chegou para entender como as pessoas interagem com uma página. Algo tão simples quanto o layout do conteúdo em uma página pode levar a classificações ruins e, em última análise, a uma experiência inesquecível.

Por exemplo, vamos ver um dos exemplos mais antigos de SEO mal feito, excesso de palavra-chave.

Essa prática desatualizada dificulta a leitura das páginas, estraga qualquer cabeçalho ou subtítulo e acaba tornando o conteúdo quase ilegível. O idioma e as palavras-chave em uma página devem ser naturais para serem lidos.

Uma escrita simples deve ser visto através do SEO e UX. E quando você deixa de fazer essas coisas simples, você começa a ver o desempenho ruim do site, tanto para usuários quanto para o Google.

Mais práticas recomendadas para UX que podem melhorar o SEO

Fora a criação de conteúdo bom, de cabeçalhos e de todas as outras coisas, partes atrativas do design e da interface do usuário do seu site influenciarão o UX geral.

Um dos exemplos que mais gosto de citar quando converso sobre isso é do Trivago. Quando você visita o Trivago, a primeira coisa que os usuários veem é uma barra de pesquisa. Por quê? Porque se você está indo para o Trivago, você está sem dúvida procurando um hotel.

Hotel? Trivago.

Eles antecipam o que o usuário está procurando e tornam isso facilmente acessível, sem nenhuma informação que atrapalhe a sua experiência. Seja uma landing page ou sua página inicial, o design do layout e do conteúdo com a meta final dos usuários em mente é uma maneira eficaz de melhorar o UX do seu site, assim sendo, facilitando todo o processo de reserva do hotel.

Mais uma boa prática de UX que quero mostrar é talvez a mais difícil de fazer, mas é mais fácil de utilizar. Basta eliminar o conteúdo que não é útil para os usuários. Se o seu site tiver uma seção raramente usada ou não oferecer nada de benéfico para o usuário, remova-o. Sempre pense em seu usuário e em como você pode facilitar o uso do site.

Usando dados de SEO para melhorar a experiência do usuário

Como mencionamos acima, existem algumas partes fundamentais do SEO (RankBrain) que estão especificamente abordando o UX. Por que não usar os dados por trás dessas métricas de SEO e colocá-los em uso para o UX?

Métricas como a taxa de rejeição, a taxa de conversão e média de páginas por sessão são importantes quando se trata da experiência do usuário. As estratégias de UX e SEO devem ser colocadas lado a lado, com dados compartilhados e divididos entre as duas práticas para se obter os melhores resultados.

Determinar as tendências do usuário

Entender os conceitos básicos do que os usuários atuais estão fazendo é um dos melhores locais para começar ao desenvolver sua estratégia de UX. É complicado receber o clique de um usuário? Plataformas de pesquisa de usuários, como o Hotjar, são ferramentas eficazes para obter informações do usuário por meio do mapeamento de calor, rastreamento de mouse e rastreamento de funil. Utilizo diariamente o Hotjar para saber se minha estratégia de encaminhamento do usuário está funcionando como quero.

Mapa de calor te ajuda ver onde o usuário está clicando mais dentro do seu site.

Depois de realizar testes e pesquisas com usuários, você pode usar as tendências de comportamento que aprendeu sobre seus usuários para determinar melhor como otimizar seu site.

Saiba o que os usuários estão procurando

Posso resumir aqui com a frase: “pense como seu usuário“.

Como o exemplo do Trivago, considere o que o usuário pode estar procurando e projete seu site em torno dessa experiência. Então, como descobrir o que os usuários realmente querem do seu site?

O teste é fundamental ao fazer alterações no design do seu site. Acompanhe as métricas de comportamento, como as taxas de conversão, as taxas de rejeição e a duração média da sessão, e teste continuamente quais alterações de design ou conteúdo melhoram as principais métricas e quais alterações não.

Defina as métricas mais interessantes para seu negócio e moitore-as sempre.

Vamos dizer que, após acompanhar os usuários em uma página, você consiga determinar que apenas um terço dos usuários clica em um link em sua página inicial. Usando o conhecimento de UX e de SEO, agora podemos determinar que dois terços dos nossos usuários não estão encontrando o que estão procurando e saindo do site.

Fazer essas perguntas e testar em seu site é a única maneira de implementar adequadamente as melhores práticas de experiência do usuário. Sem teste não se tem resultados.

Outro lugar para procurar informações sobre o que os usuários esperam obter de seu website é o Google Search Console. Uma ferramenta usada para o insight orgânico, o Search Console pode ajudar a determinar por que um usuário acessa seu site e o que ele está pesquisando quando chega lá. As consultas de pesquisa, na minha opinião, é o melhor ponto de partida para decidir quais áreas devem ser aprimoradas ou otimizadas em seu site.

Aqui você descobre quais palavras-chave são mais impressas pelo Google e quais o usuário clica.

Combinando a percepção orgânica e testando a usabilidade do seu site, você pode determinar o que o usuário deseja ver em seu site e como melhor você pode fornecer essas informações.

Espero que tenha entendido a importância do UX dentro do SEO de um site e como eles funcionam juntos. Tem alguma dúvida ou algo a dizer? É só escrever nos comentários abaixo.

E que tal ter uma análise SEO do seu site grátis, é só entrar em contato!

Abraços!

2 comentários em “Como o UX pode impulsionar o SEO?

  1. Pingback: 6 ações de Marketing para profissionais da saúde - SEO Thiago Urgel

  2. Pingback: 19 passos para ter um e-commerce de sucesso - SEO Thiago Urgel

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *